12 Coisas para saber sobre as eleições israelenses e o que acontece depois

As eleições israelenses sempre atraem o interesse da mídia. Enquanto a sociedade israelense tenta encontrar um equilíbrio entre ser judaica, democrática e segura, os desenvolvimentos contínuos sempre parecem fazer de Israel um para-raios para críticas, elogios e debates sem fim.

Se você está tentando entender as eleições israelenses e as políticas domésticas relacionadas, este é o básico que você precisa conhecer sobre o processo de votação e como uma coalizão governamental é formada.

Existem dois estágios principais para o processo que serão desenvolvidos abaixo:

  1. O Knesset é formado com base nos resultados das eleições.
  2. Um dos líderes do partido reúne um governo de coalizão.

Quem consegue um lugar no Knesset?

1. O parlamento de Israel, o Knesset, tem 120 assentos. Os membros do Knesset, são escolhidos com base na representação proporcional e não pelo distrito. Se um partido receber, digamos, 10% dos votos, esse partido receberá 12 assentos do total de 120 assentos. Quando os partidos se registram para concorrer, eles arrolam sua lista de candidatos para que o público possa saber quem são os potenciais legisladores. Os eleitores votam em um partido, não para um candidato individual.

2. As eleições israelenses são realizadas a cada quatro anos, ou antes, se a coalizão governante for dissolvida. Por lei, em Israel, não pode se passar mais de quatro anos sem eleições. Votos de não-confiança ou a incapacidade de aprovar um orçamento até uma certa data, entre outras coisas, são motivos para forçar a dissolução do Knesset e a convocação de novas eleições. 

3. Os cidadãos israelenses com 18 anos ou mais podem votar. Palestinos que vivem na Cisjordânia e em Gaza votam nas eleições da Autoridade Palestina. Palestinos com permissão de residência em Jerusalém podem votar nas eleições municipais, mas não votam nas eleições para o Knesset. Com uma liderança dividida entre Gaza e a Cisjordânia, a Autoridade Palestina e o Hamas têm sido incapazes ou não querem realizar suas próprias eleições. (Leituras relacionadas: Então, por que os palestinos não podem votar?)

4. O processo de votação é realmente de baixa tecnologia: os eleitores ficam atrás de uma divisória, escolhem um pedaço de papel com o nome do grupo partidário e o introduzem em um envelope. Em frente aos voluntários do Comitê Central de Eleições, os eleitores colocam seu envelope em uma caixa azul. Após o fechamento das urnas, os votos são contados e os resultados são divulgados. (Leitura Relacionada: Veja com o que a democracia israelense em ação se parece)

voting

Uma mulher em Efrat vota durante as eleições municipais, em 30 de outubro de 2018.
Foto: Gershon Elinson / Flash90

5. Os partidos devem receber no mínimo 3,25% dos votos (o equivalente a quatro assentos do Knesset) para se sentar no Parlamento. Votos para os partidos que não alcançam esse limite são conhecidos como votos desperdiçados. O limite mínimo foi elevado várias vezes nos últimos anos para simplificar as atividades do Knesset, mantendo as facções menores fora do Parlamento. (Para uma discussão mais completa sobre esta questão e suas implicações, veja o Fórum Político de Israel e o Instituto Democracia Israel.)

6. À frente das eleições israelenses, os partidos podem fazer acordos de “superávit de votos” uns com os outros na esperança de ganhar assentos. Ynet explica como eles funcionam:

Após o encerramento da votação e o fechamento das urnas, os votos são contados e cada partido que ultrapassa o limite recebe parte dos 120 assentos no Knesset, dependendo da porcentagem de votos que recebeu. No entanto, raramente é um número redondo, e normalmente há um número de votos para cada partido que não se converte em um assento da Knesset completo. E é aí que um partido pode aumentar seu número de assentos, se conseguir um acordo com outro partido para obter votos excedentes.

Dois partidos podem usar o acordo de votos excedentes para combinar os restos de cédulas, e se os dois totais combinados somarem votos suficientes para obter um assento completo, então esse vai para o partido com o maior número de votos excedentes (que na maioria das vezes é também o maior partido).

Esses acordos – também conhecidos como “votos compartilhados” – são divulgados antes das eleições. (Para saber mais sobre a metodologia por trás dos cálculos de votos excedentes, veja A Distribuição de Assentos do Knesset Entre as Listas – o Método Bader-Ofer no site do Knesset.)

7. Na história das eleições israelenses, nenhum partido jamais ganhou 61 assentos na Knesset, então governar requer uma coalizão.

Criando uma coalizão

President Reuven Rivlin
Presidente Reuven Rivlin

8. Depois de todos os assentos do Knesset serem alocados, o Presidente de Israel realiza consultas com os líderes de todos os partidos para avaliar quem teria a melhor chance de formar uma coalizão. Uma coalizão de governo requer tecnicamente uma maioria simples de 61 Membros do Knesset, mas coalizões maiores têm mais estabilidade. Se um governo de unidade nacional surgir, é nesse estágio que ficará evidente. O atual Presidente de Israel é Reuven Rivlin.

9. Após realizar as consultas, o Presidente escolherá o líder do partido que ele acha que tem a melhor chance de formar uma coalizão. Dirigir o partido com a maioria dos assentos do Knesset não significa automaticamente que esse candidato se tornará Primeiro-Ministro. Por exemplo, o Partido Kadima de Tzipi Livni ganhou mais assentos do que o Likud nas eleições de 2009, mas a composição do Knesset e as consultas resultantes levaram o Presidente Shimon Peres a nomear Benjamin Netanyahu para o cargo.

10.  Uma vez encarregado de formar uma coalizão de governo, o pretenso Primeiro-Ministro tem um prazo de 28 dias para tanto. É uma época de árdua negociação – o pretenso Primeiro-Ministro tem que satisfazer demandas conflitantes por nomeações de gabinete, compromissos políticos e princípios políticos entre potenciais parceiros de coalizão e dentro de seu próprio partido. Por causa de todas as transações e negociações, o Presidente geralmente concede ao Primeiro-Ministro uma prorrogação de 14 dias, se necessário.

11. Se o candidato a Primeiro-Ministro não conseguir formar uma coalizão de governo a tempo, o Presidente pedirá a um segundo candidato que forme esta coalizão em 28 dias. Se isso falhar, um terceiro candidato terá oportunidade de formar um governo no prazo de 14 dias. (Nenhum do dois teria qualquer possibilidade de receber prazo de extensão.) Caso nenhum dos três candidatos não consigam formar uma coalizão, o Presidente dissolverá o Knesset, novas eleições serão realizadas dentro de 90 dias e o processo das eleições israelenses se repetirá. (Os legisladores israelenses nunca chegaram a esse ponto.)

12. Uma vez que uma coalizão é acordada, o candidato a Primeiro-Ministro apresenta ao Knesset um relatório listando os ministros do gabinete e esboçando as políticas básicas do governo. Depois que os Membros do Knesset votam para confirmar o novo governo, o Primeiro-Ministro e o gabinete são empossados e começam a governar.

Source: brazil

12 Coisas para saber sobre as eleições israelenses e o que acontece depois